sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Bi-horário?! Como é que alguém pode ter uma ideia tão parva?

O aumento do horário de trabalho na função pública para quarenta horas é, apesar de poucos partilharem a minha opinião, a menor das malfeitorias que os últimos governos têm feito a quem trabalha para o Estado. Foi uma medida inútil, desnecessária e que nada acrescenta às finanças públicas nem à economia nacional. Mas, ainda assim, muito menos gravosa do que quase todas as outras que nos têm levado parte significativa do vencimento. E os melões, ao que se sabe, compram-se é com dinheiro.
Para os sindicatos, contudo, o acréscimo de horas de trabalho é que parece ser o ponto determinante da sua actuação. Talvez por constituir aquele onde se afigura mais fácil obter uma vitória. Como, refira-se, já está a suceder um pouco por todo o país. Pelo menos ao nível das autarquias. Onde a maioria dos executivos tem sido sensível em relação a esta matéria e tem chegado a acordo com as estruturas sindicais, no sentido de manter as trinta e cinco horas de trabalho.
Fica, no entanto, um senão. O finca-pé que alguns sindicatos e sindicalistas, alegadamente, teriam feito para que os acordos celebrados se aplicassem apenas aos trabalhadores filiados nos respectivos sindicatos, tendo os restantes de trabalhar quarenta horas. A serem verdadeiros estes rumores não é coisa que lhes fique bem. É que a fazer escola esta posição, às tantas, os pré-avisos de greve também serão apenas válidos para quem é sindicalizado. Para além de, me parece, a consumar-se alguma situação do género estarmos perante a violação de uns quantos princípios constitucionais. Felizmente que, neste assunto, os autarcas estarão a ter o bom senso de não ligar patavina a esta alegada ideia. Que, a ter existido, é das mais estapafúrdias que conheço em mais de trinta anos “disto”. 

2 comentários:

  1. Este governo graça por ideias parvas e como tal...subscrevo o que dizes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O governo...e às vezes os sindicatos também!

      Eliminar