sábado, 21 de março de 2015

Agora é definitivo. Seja isso o que tempo que fôr. Resolvidos os problemas com a migração - que, afinal, até era uma coisa fácil - esta vai ser de agora em diante a nova e única morada do Kruzes Kanhoto

quinta-feira, 19 de março de 2015

País de alarves!

Portugal está cheio de gente que se indigna facilmente. Mesmo que não perceba nada acerca do assunto causador da indignação. Hoje está tudo ofendido com a Ministra das Finanças. A senhora teve o desplante - o topete, quiçá - de partilhar com os seus concidadãos a satisfação por, segundo afirmou, o Tesouro ter os cofres cheios. A tugalhada, obviamente, não gostou. Prefere, como gente esperta que é,  ter os cofres vazios. Sem cheta. Assim é que é bom e bonito. Ter “algum” guardado é coisa de idiota, como todos sabemos.
Neste contexto não admira que as intenções de voto nos mesmos que esvaziaram os cofres estejam em alta. É isso que um povo ignorante - nomeadamente em termos financeiros - espera de um governante. Esperar que o conjunto de alarves a que se convencionou chamar portugueses perceba que “cofres cheios” significa ter assegurado as necessidades de financiamento para os tempos mais próximos é, manifestamente, pedir em demasia a criaturas que nem sequer percebem o motivo pelo qual se deve sempre pedir factura.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Lista? Mas qual lista?!

Parece que afinal não existe nenhuma lista vip do fisco. Apesar disso demitiu-se o gajo que, caso a tal lista existisse, a poderia ter feito. Mas, mesmo não existindo a lista que toda a gente garante que existe, a sua demissão continua a fazer sentido. Ainda era gajo para a fazer. Caso, claro, isso fosse coisa que pudesse existir.  

E o crescimento, pá?!

Tenho dificuldade em perceber as criticas que li e ouvi em relação ao mega-edifício que vai, de hoje em diante, albergar a sede do BCE. Terá custado, ao que parece, mais de mil milhões de euros. Uma pipa de massa mal gasta, na opinião dos críticos da obra. E na minha, também.
Por mim acho que é um desperdício. Mas isso sou eu que também considero essa lengalenga do “investimento para o crescimento” uma estupidez do tamanho do mundo. Ora o que me intriga é serem precisamente os defensores dessa politica que criticam o dinheirão esturrado no prédio.
Estou a revelar inesperadas dificuldades em perceber a lógica dos argumentos da malta que defende a necessidade de “investir” para “crescer”. É que, tendo essa estratégia como boa para Portugal não estou a ver como pode ser má noutro lugar...

Blogger vs Sapo

Durante quase um mês testei os blogues do sapo. Tinha em vista uma eventual transferência para aquela plataforma nacional. Exceptuando a migração do conteúdo integral do blogue, que não foi possível realizar, a experiência até nem estava a correr mal. Mais visibilidade junto da restante comunidade, maior facilidade de edição e uma área de gestão bastante mais intuitiva, estavam a fazer com que me sentisse tentado a mudar a morada deste blogue. Como senão apenas as actualizações dos blogues favoritos. Lá não existe essa funcionalidade. Ficam os links e pronto, não há informação de cada vez que um deles é actualizado.
Ontem a fase experimental terminou. Abruptamente. Recebi um aviso do blogger informando-me que estaria a violar as directrizes desta coisa. O problema, comunicam-me, era o script a redireccionar os visitantes deste blogue para o Sapo. Que, avisavam, a continuar na altura do próximo rastreamento teria como consequência a eliminação do Kruzes. Um bocadinho ditatorial, acho eu. Mas se essas são as regras há que cumpri-las. Pelo menos por enquanto este espaço vai continuar por aqui...  

terça-feira, 17 de março de 2015

Então e essa coisa da vontade do freguês?!

Constitui para mim um mistério inexplicável que não se vendam computadores sem sistema operativo instalado. Se há, nunca os vi. Isto apesar de em inúmeras ocasiões e outras tantas lojas – grandes e pequenas – da especialidade, ter questionado os funcionários – colaboradores, vá – acerca do assunto. Sem sucesso, diga-se. Obtive apenas respostas parvas de quem não fazia a mais parva ideia acerca do eu estava a falar.
Não consigo entender que tenha de pagar por algo que não quero e que não pretendo usar. Recorde-se que a licença do Windows custará cerca de cento e cinquenta euros. Valor que está incluído no preço da máquina. Sendo utilizador do Linux, um sistema operativo gratuito, que inclui software para tudo o que preciso, não me parece razoável ter de pagar uma espécie de tributo à Microsoft. Para mais quando não vou usar nenhum programa produzido por essa empresa.
Por alguma obscura razão é tema que parece não preocupar ninguém. O Governo, a Deco ou o Bloco de esquerda, nomeadamente. Nem, mais estranhamente ainda, aos consumidores em geral. Devem ser todos ricos. 

Diz o roto ao nu...

António Costa sobre Passos Coelho: “Não aprendeu nada com o passado”. O Presidente da Câmara de Lisboa pode, até, ter razão. Nisso e em mais um rol infindável de acusações que queira fazer ao primeiro-ministro. Mas, antes de falar em termos de aprendizagem com acontecimentos idos, era bom que se olhasse ao espelho. Mas parece, por estas e por outras, que objectos reflectores de imagem pareçam não abundam lá para o Largo do Rato. Devem ter-se partido todos. Coisa para dar uns sete anos de azar. A nós, claro.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Desemprego verde

Só um tonto acredita que o fisco vai arrecadar quarenta milhões de euros com a receita proveniente do imposto sobre sacos de plástico. Apenas um idiota não percebe que uma medida desta natureza terá, inevitavelmente, reflexos nos postos de trabalho das empresas do sector. Somente os ecologistas, que conseguem ser tontos e idiotas em simultâneo, pouco se importarão que mais uns quantos portugueses vão para o desemprego e vejam as suas vidas destroçadas por causa de meia dúzia de gaiatos que têm a mania de brincar com coisas sérias.
Para além dos ecologistas e do ministro com ar alucinado há muita gente a aplaudir este imposto que, na prática, determina a extinção dos sacos de plástico. Daí que, se calhar, ninguém se importe que umas quantas pessoas fiquem sem trabalho. Danos colaterais, dirão, em nome de um bem maior. Pois sim. Um dia sereis vós as vitimas da revolução verde.


domingo, 15 de março de 2015

Não vendo!


O sector imobiliário foi o mais afectado pela crise. Devido ao crescimento desmesurado durante anos a fio, era inevitável que se verificasse um ajustamento. Acredito que, um dia destes, possa começar a recuperar mas nada nesta actividade voltará a ser o que já foi. E ainda bem.

Vai havendo, contudo, um ou outro sinal de retoma. Veja-se, por exemplo, o caso deste prédio situado no centro de uma capital de distrito. A procura deve ser tanta que o proprietário se viu forçado a avisar publicamente que não está disposto a vende-lo. Ele lá sabe.

sábado, 14 de março de 2015

A culpa (também) é do PREC!

 

Há quem goste de culpar o Cavaco por tudo e mais um par de botas. Nomeadamente os que não reconhecem a responsabilidade dos governos socialistas por este triste estado de coisas. Para esses tristes quem rebentou o país não foram nem o Sócrates nem o Guterres mas sim Cavaco Silva que, dizem, terá destruído a agricultura, a pesca, a indústria e mais umas quantas cenas que, dependendo do que fumaram antes, na ocasião lhes ocorram.

Não gosto do Cavaco e odeio as politicas socialistas. Mas estes três estarolas, por mais trágica que se tenha revelado a sua governação, não passam de meninos de coro quando comparados com a tragédia provocada pelo Partido Comunista e seus sequazes durante o chamado PREC. Um processo criminoso contra a economia do país, que teve inicio em onze de Março de 1975 e acabou em 25 de Novembro do mesmo ano, cujas sequelas chegam até hoje. Disso, curiosamente, ninguém fala. Deve ser falta de memória. Ou ignorância.

 

Desenrasquem-se, pá!

Porra, pá – que é uma bela de uma expressão que uso amiúde – esta gente quer tudo. Deve pensar que vive num país com dinheiro suficiente para pagar três dividas externas. Ou mais. Agora são os pais que – coitados – têm o gravíssimo problema de, nos espaço público, não ter onde mudar a fralda aos seus infantes. Isto por o fraldário, na maioria dos edifícios, estar na casa de banho das senhoras. O mesmo drama ocorre quando as piquenas necessitam de usar o WC e os papás as têm de levar aos lavabos dos homens. Reclama-se hoje, por isso, que o Estado olhe para o assunto e trate de arranjar condições para que todos - independentemente do género, como agora se diz - possa limpar o rabiosque ao seu rebento.

Será que os portugueses perderam aquela fantástica capacidade de, em qualquer circunstância, se desenrascarem?! Acham que se justifica o investimento neste tipo de coisas quando o Estado está falido e as empresas nem conseguem manter postos de trabalho?! Nomeadamente quando a tendência para um acentuado decréscimo dos nascimentos é cada fez mais evidente. Porra, pá. Desenrasquem-se e deixem de ser mariquinhas, pá!

sexta-feira, 13 de março de 2015

Diz que foi uma espécie de greve

Hoje foi dia de greve na função pública. Presumo que a adesão, na perspectiva dos sindicatos, ronde uns avassaladores cento e dezanove por cento. Já na óptica do governo os funcionários que hoje faltaram ao trabalho não foram mais que dois. Ou três, se entretanto tiver morrido algum que ainda não tenha sido abatido ao efectivo.
O habitual, portanto. Embora os hábitos tenham mudado. E muito. As greves de hoje nada têm a ver com as de outros tempos. Nos anos seguintes ao vinte cinco do A e até aos anos noventa era predominantemente no sul, em particular no Alentejo, que os seus efeitos se faziam sentir. Agora, a julgar pelas noticias, é no litoral e também a norte que as greves terão uma maior adesão. Por cá não se dá por nada.
Entretanto tudo vai continuar como antes. Mário Nogueira vai, daqui a pouco, dizer coisas a que ninguém liga. Jerónimo de Sousa vai manifestar a sua solidariedade com a luta heróica dos trabalhadores e, mais uma vez, exigir a demissão do goverrrrrrrrno. Já António Costa garantirá que não pode anunciar medidas mas que, quando governar, vai satisfazer todas as pretensões de toda gente. Deve ser por isso que os alentejanos já não fazem greve...



Charters de autarcas


Excelente a ideia de envolver as autarquias nessa coisa dos vistos gold. Assim fica afastada a imagem de alegada corrupção que envolvia esse programa e torna a captação de investidores muito mais transparente. Será, também, um mundo de oportunidades que se vai abrir para as agências de viagens. Já estou a ver charters de autarcas a caminho da China...

quinta-feira, 12 de março de 2015

O consporco. Javardote, vá.

Presumo que, pelo menos desde o fim da escravatura, em todos os locais de trabalho existam meios de controlar a assiduidade e pontualidade dos trabalhadores. Ou, sejamos modernaços, dos colaboradores. Tal como este conceito, também a maneira de fazer o controlo é cada vez mais moderna. O que nem sempre é boa ideia.
Quando comecei a trabalhar – ou a colaborar, sei lá - era o livro de ponto. Com uma esferográfica presa por um cordel não fosse alguém mais distraído metê-la ao bolso. Não querendo partilhar, por não saber onde é que o colega que tinha assinado antes andou com as mãos, cada um podia assinar com o seu próprio material escrevente.
Veio, depois, o relógio de ponto. Os primeiros exemplares produziam, a cada utilização, uma chinfrineira do camandro quando se introduzia o cartão mas, no âmbito da promiscuidade, eram exemplares. Nada de misturas. Cada um só mexia no seu e não precisava de tocar na máquina. Muito menos na ranhura.
Mais tarde inventaram um mecanismo em que os colaboradores são identificados pelas impressões digitais. Uma javardice. Todos colocam o dedo no mesmo espaço de dois centímetros quadrados. Isto depois de o dito dedo ter passado sabe-se lá por onde. Há, até, quem o lamba – ao dedo – quando a máquina manifesta notórias dificuldades em o identificar.
Deve ser por isso, ou por outra razão parva qualquer, que existe sempre um outro colaborador mais intrépido que parte para a agressão ao mecanismo. Acredito que não obterá daí grandes proveitos mas, pelo menos, não o conspurca. Como o outro consporco.



segunda-feira, 9 de março de 2015

A petição do lagartedo

Não constitui novidade para ninguém que na Internete fora dela também, mas isso agora não vem ao caso se publicam as maiores alarvidades. Este blogue é disso um bom exemplo. Mas, depois, há o resto. O que está para lá da parvoíce e, mesmo, da estupidez. Que deixa para trás qualquer réstia de lucidez e se aproxima da indigência moral e da inconsequência mental.
A patética petição dos alegados adeptos do Sporting, pretendendo que os adversários de outro clube não sejam expulsos, reúne todas essas características. Parece, apesar disso, que já contará com umas quantas assinaturas. Bem-visto o pior nem sequer é essa coisa da petição. Mau é que isto é gente que vota e tem os mesmos direitos das pessoas normais. E, desgraça das desgraças, respira.



O bispote


Presumo que este utensílio domestico, vulgarmente conhecido como vaso de noite, tenha visto muita coisa. Umas boas outras nem tanto. Mas isso é, como diria o outro, da vida. Apesar de aparentar ainda um relativo bom estado a sua utilidade no campo sanitário terá chegado ao fim. Ou não. Dado que pouco tempo depois – e ainda antes do lixo ser recolhido - já não estava no local é possível que, por esta altura, esteja a contemplar outras paisagens. Numa feira de velharias qualquer, provavelmente.

sábado, 7 de março de 2015

Metem dó estes urbano depressivos...


O que não falta por aí é gente a recalcitrar contra quem pede factura. Dizem que é bufaria, que “eles” o que querem é saber onde gastamos o dinheiro e mais um conjunto de desculpas parvas que me escuso de comentar. Curiosamente os novos deuses dos esquerdosos e urbano depressivos bem pensantes – os Siryzas, que mandam na Grécia – resolveram fazer mais ou menos a mesma coisa. Ou, provavelmente, pior. Mas, para a legião de fãs Siryzistas que abundam por estes lados não é nada que mereça um reparo, um dichote ou, pelo menos, uma piadola jocosa. Como aideia foi desse tal Varoufakis trata-se de uma coisa muito bem feita. É assim o pagode de esquerda. Mete dó.

Obviamente já se devia ter demitido


Ninguém gosta de pagar impostos. Por isso mesmo é que há a necessidade do seu pagamento nos ser imposto. Se não fosse pela via da imposição, de certeza, não havia quem os pagasse. E o mesmo se aplica a todas as outras taxas, taxinhas e demais roubalheiras a que os governos têm de recorrer para alimentar o monstro.
Nisto se incluem também as contribuições para a segurança social. A não ser os que já estão reformados, poucos valorizarão este contributo cívico para o sustento dos que deixaram de trabalhar. Principalmente as novas gerações. Estas dão como adquirido que, no futuro, não terão os mesmos direitos dos actuais pensionistas e é com muito desagrado que olham para o esbulho que é feito aos seus parcos rendimentos. Exigir a um jovem recém-licenciado, pago a recibo verde, que dos seiscentos euros – ou menos – que aufere, retire cento e vinte seis para a segurança social - isto para além, claro, do IRS - se não é crime, não sei o que lhe chame.
Esperava eu que o caso do primeiro ministro servisse, entre outras coisas, para também debater esta problemática. Mas não. A guerrilha politica parece ser mais importante. Quanto ao resto, e como que quem manda tem de dar o exemplo, não tenho dúvidas que o homem já se devia ter demitido.





quinta-feira, 5 de março de 2015

Afinal onde é que é a porra do churrasco?!

Acabo de ler num blogue que “Estremoz já está arder”. Ora sendo Estremoz a minha terra, esta afirmação deixou-me alarmado. Mesmo sem enxergar fumo a elevar-se aos céus nem o meu nariz sentir o cheiro a esturro não fiquei descansado sem descobrir que espécie de tragédia se estava a abater sobre a cidade.
Esmiuçando a noticia conclui-se que a mesma é manifestamente exagerada. Trata-se, afinal, de um alegado arrufo entre gajos que gostam de touros em que parte deles não terá gostado que a outra parte tivesse ficado a cagar estacas na praça onde torturam os ditos. Podemos, portanto, dormir tranquilamente. A cidade não vai ficar reduzida a cinzas. Duvido, até, que tão parva questiúncula seja capaz de, sequer, acender um fogareiro. Ninguém quer saber. Nem os bois, coitados.



quarta-feira, 4 de março de 2015

Plástico bom e plástico mau

O ministro que supostamente tutela a área do ambiente continua a insistir que o Estado vai mesmo arrecadar os quarenta milhões de euros previstos em sede de orçamento, com essa coisa da taxinha sobre os sacos de plástico. Deve ir deve. Meu não leva nem um cêntimo e, acredito, bem poucos serão os que se vão sujeitar a pagar essa taxa absurda.
O problema é que o stock de sacos de plástico cá de casa começa a cair para níveis perigosamente baixos. Está, por assim dizer, a chegar ao fim. Significa isso que terão de ser encontradas alternativas para o acondicionamento dos resíduos domésticos. Daí que tenha dado uma vista de olhos pela oferta disponível no âmbito dos artigos destinados a forrar o balde do lixo. Ora essa actividade deixou-me algures entre o estupefacto e o irritado. Constatei que, afinal, o preço de cada saquito – daqueles vendidos aos rolos - anda pelos seis a oito cêntimos. Quase o mesmo preço dos outros que antes eram de borla. O que acarretará uma despesa anual de 22 a 30 euros.
Ainda mais irónico é que, para não prejudicar o ambiente, passei a usar sacos reutilizáveis para transportar as compras. Entre as quais, talvez um dia, se incluam os sacos de plástico para o lixo.



terça-feira, 3 de março de 2015

Pulga maldita

O pulguedo é lixado. Tramado, mesmo. Do piorio, a bem dizer. E ataca quando menos se espera e sem olhar a quem. Nem o lugar. A vitima, desta vez, terá sido José Sócrates. As pulgas terão efectuado um ataque surpresa e concertado que, alegadamente, deixaram o homem cheio de comichões. Algo deveras incomodativo, convenhamos. Entretanto, enquanto a coisa não se resolve, ele que se vá coçando. Tempo para isso não lhe falta.
Por falar em afanípteros. O que cresceu que nem isso foram as empresas do amigo do ex-primeiro ministro. Trintas e tantas, ao que parece. Um homem que revela um inusitado dinamismo empresarial, o Carlinhos. Capaz mesmo de ombrear com outros vultos do nacional empreendedorismo. Curioso, curioso – mas, se calhar, só isso – é a clientela. Câmaras municipais, na sua maioria. Para as quais as ditas empresas projectam, executam e fiscalizam obras como se não houvesse amanhã. O que a mim, que não sou de intrigas, me deixa com a pulga atrás da orelha.





segunda-feira, 2 de março de 2015

Eu pagava, tu pagavas, ele pagou agora...



A doutrina divide-se. Para uns terá sido um lapso. Para outros um esquecimento. Por mim prefiro somar. A essas duas desculpas apetece-me juntar mais duas. Manivérsia e vigarice. Isto a multiplicar por cinco. Que terão sido os anos que o senhor se esqueceu de subtrair a devida contribuição para a segurança social aos seus rendimentos. Tudo isto alegadamente, claro.

Mistérios na agricultura da crise


Há coisas estranhas a crescer no meu quintal. Estas, que as imagens documentam, nomeadamente. Assim, ao primeiro olhar, quase sou tentado a pensar que se tratam de cabelos. Alguém que, por exemplo, após remover as pilosidades excessivas as tivesse depositado no espaço reservado à minha lavoura. Que, esclareça-se, de momento está em pousio. Mas não. Analisado mais de perto aquilo não são resquícios de depilações. Minhas ou alheias. Fica o mistério. Ou a ignorância quanto ao que efectivamente é esta coisa.




domingo, 1 de março de 2015

Austeridade e falta de memória (II)

Falar ou escrever sobre assuntos de que nada percebemos, por norma, dá asneira. E o que não falta é gente por aí a mandar bitaites acerca de coisas de que não percebe a ponta de um corno, como se diz por cá. Muitos, até, com responsabilidades na vida pública e que, por isso mesmo, deviam ter algum recato quando se pronunciam sobre temas que não dominam.
Veja-se o caso da divida portuguesa. Que, os números confirmam, está agora muito maior do que quando a troika chegou. Ora, se isto é verdade, não é a história toda. Convinha que se dissesse – entre outras coisas que podem justificar esse aumento - que o perímetro da divida foi substancialmente alargado. Ao contrário do que acontecia antes, o valor apurado passou a integrar a divida das empresas públicas e das empresas municipais. Para onde, recorde-se, anteriores governos tinham empurrado muita da despesa pública.
Mas, convinha também que alguns dos novos experts soubessem disso, a coisa ficou ainda pior. Actualmente integram igualmente o conceito de divida todas as participações do Estado. Ou seja. Basta uma autarquia deter uma participação, por exemplo numa cooperativa, para a divida dessa instituição passar a conta para o volume da divida pública.
Percebo que filósofos, médicos, juristas, jornalistas e o povo em geral gostem de discutir estas coisas. Podiam era fazê-lo depois de se informarem. Digo eu que uma vez dissertei sobre cozinha tchetchena e, naturalmente, saíram uns quantos disparates.



sábado, 28 de fevereiro de 2015

Austeridade e falta de memória

Convém recordar aos mais esquecidos que a austeridade não começou com o Parvus Coelho. Talvez tenha é atingido a esmagadora maioria dos actuais indignados durante o seu governo. Foi no governo do Partido Socialista – de que António Costa era o número dois – que foram tomadas algumas medidas profundamente injustas. Lembro, só a titulo de exemplo, o corte no abono de família a quem ganhava o fantástico ordenado de setecentos euros. Medida que não suscitou nenhum pedido de inconstitucionalidade, ao contrário que sucedeu quando os atingidos pelos cortes foram aqueles que detinham rendimentos bem superiores. Mas percebe-se. Isto há que atender aos que conseguem fazer mais barulho.
Por mim sou e sempre foi contra este tipo de politica. Está escrito nas páginas deste blogue. E também de outros. Onde, por causa desta posição aqueles que agora se indignam com as medidas austeritárias e que antes as defendiam com a mesma arrogância com que agora as criticam, já me chamaram de tudo. Menos pai, acho eu.  

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Colinho e palmadas no rabiosque

Na comunicação social escrita, falada e televisionada reina um estranho consenso em redor de dois assuntos. O governo e o Benfica. Relativamente ao primeiro não há comentador – ou são raríssimos – que não desanque em todos os ministros e em cada medida que o governo toma ou deixa de tomar. Isto enquanto, na falta de opositores de jeito cá dentro, vai endeusando o Syriza, o Tsirpas e o Varoufakis. Gente de reconhecida competência, prestes a passar a certidão de óbito ao país que lhes confiou o poder. Mas isso é lá com eles. São gregos, entendam-se.
Também o Benfica, para os jornaleiros e comentadeiros de serviço, constituiu uma espécie de saco de pancada. Principalmente desde que perceberam que o lagartedo, como é hábito, não vai a lado nenhum e o clube do putedo, apesar dos charters de espanhóis e dos contentores de euros despejados no estádio do Ladrão, está a ter dificuldades inesperadas para ganhar alguma coisa.
Quanto ao Benfica tenho a certeza que a canzoada a quem é dado tempo de antena na comunicação social não convence ninguém. Já quanto ao governo não sei. Mas ou muito me engano ou ainda é capaz de provocar efeitos contrários ao pretendido. É que isto às vezes tanto se bate no ceguinho que a malta fica com pena...





quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Pois que não posso crer!

Diz que a Câmara Municipal de Alandroal terá recebido a visita de uma equipa da Policia Judiciária. A diligência dever-se-á, segundo as palavras da presidenta da autarquia publicadas em diversos órgãos de informação da região, a investigações que visarão esclarecer matérias que terão a ver “essencialmente com a realização de obras por parte da câmara, com funcionários, com recursos humanos da câmara e com recursos materiais, máquinas e viaturas da câmara ao serviço de particulares, neste caso na realização de obras que segundo está denunciado, seriam obras realizadas em propriedades privadas e é isso que se está a tentar apurar”.
Lamentável perda de tempo e esbanjamento de recursos públicos é o que me apraz escrever sobre o assunto. Refiro-me, como é óbvio, à investigação. Toda a gente sabe que este tipo de procedimentos não é praticado pelos autarcas. Nunca acontece. Ou quase nunca. Bom, vá, pode acontecer de forma muito ocasional numa ou noutra câmara lá do norte… Mas nunca, como sabemos, por estas planícies.



terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Foi bonita a festa, pá...

Podia ser cínico e escrever que tenho alguma curiosidade acerca do argumentário que vão utilizar, de ora em diante, os socialistas, bloquistas, António Costa e a restante multidão de admiradores do Syriza. Mas não. Não tenho mesmo curiosidade nenhuma. De certeza que não serão capazes de me surpreender. Nem, o mais provável, de tirar as devidas ilações da situação grega. Que por mais que se esforcem por dourar a pílula é, assim mal comparado, uma espécie de vacina para as promessas que alguns vendedores de amanhãs radiosos têm andado por aí a distribuir.
De repente muita gente acreditou que mesmo sem dinheiro continuaria a haver palhaços. Quando muito haverá ilusionistas. E muitos a deixarem-se iludir.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Se bem me lembro a culpa era do lucro dos bancos...

Sou do tempo em que os lucros escandalosos dos bancos eram asperamente criticados. Causa apontada pela generalidade da populaça que se gosta de pronunciar sobre estas coisas da economia, da finança e do estado do país em geral, como um dos grandes males que então nos afectavam.
Estranho que meia dúzia de anos depois, várias falências pelo meio e um sistema bancário periclitante – quase à beira do colapso, segundo alguns – estejamos ainda pior do que na altura dos alegados lucros. Curioso, curioso é que ainda não dei por ninguém se retratar. Ou, pelo menos, admitir que estava ligeiramente enganado. 

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Socialistas syrizados


Há, já dizia o outro fulano, muita falta de memória na politica e nos políticos. Mas não só. Nos portugueses, em geral, também. De repente parece que todos esquecemos o que aconteceu antes de 2011. Olhamos para o presente como se não existisse passado e o mundo tivesse começado nessa altura. Daí que não reconheçamos nos criminosos – em termos políticos, bem entendido - que nos trouxeram até este triste estado, nenhuma responsabilidade. Pelo contrário. Somos idiotas, mas tão idiotas, que nos preparamos para os eleger. Logo a eles, um bando de hipócritas que em lugar de se solidarizarem com o partido irmão que levou uma valente coça eleitoral na Grécia, não se coíbem de manifestar o seu contentamento pela derrota dos seus congéneres socialistas. Estou mesmo a ver que caso – se os portugueses perdessem o pingo de vergonha que, presumo, ainda lhes resta – o Bloco de Esquerda ganhasse as eleições, o povo socialista saía para a rua a festejar...