domingo, 19 de outubro de 2014

Mas o que anda esta gente a fumar?!

Não sei o que a malta do governo anda a fumar nas reuniões do conselho de ministros, mas, seja o que for, deve ser do melhor. Só assim se compreendem as afirmações do ministro Maduro ao garantir, num tom aparentemente sério e sem sequer deixar escapar um sorriso maroto que sugerisse tratar-se de uma ironia, que se o Estado fosse tão bem gerido com as autarquias as contas do país estariam equilibradas. Por estas palavras ou por outras que queriam dizer a mesma coisa.
Se assim é questiono-me por que raio terá o governo tido necessidade de criar o FAM. Aquela aberração que vai fazer com que o dinheiro dos contribuintes de Estremoz, ou de outras câmaras em boa situação financeira, seja “desviado” para pagar as dividas, por exemplo, do vizinho concelho do Alandroal. Ou de outro qualquer que tenha sido governado por pessoas a quem essa coisa do rigor na gestão do dinheiro público pouco importava.
Concedo que as contas na administração local não são, de uma maneira geral, nada parecidas com as que existiam há três ou quatro anos. Mas estarão longe de ser as que se apregoam. Por trás dos números divulgados estará muita engenharia – sem ofensa para os engenheiros, nomeadamente aqueles que não se formaram ao domingo – financeira e, quiçá, contabilidade criativa. Isto alegadamente, claro.

4 comentários:

  1. que se o Estado fosse tão bem gerido com as autarquias as contas do país estariam equilibradas.

    Tão gerido com? ou como ? as autarquias.

    Se for "com" as autarquias não pertencem ao Estado?
    Se for "como" as autarquias não sabia que tinham saído debaixo da esfera do Estado.

    Esse Maduro deveria era ter continuado lá fora porque tudo que diz é tão desequilibrado que mete dó.

    Pois é amigo...as não endividadas irão suportar a despesas das endividadas, numa baralha-põe-tira-e-deixa e é preciso ver bem a quem pertenciam essas Câmaras. Pois...pois há que safar os amiguinhos!!!!!

    Um resto de bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A má gestão autárquica foi transversal. Todos têm culpa no desastre financeiro em que as autarquias se transformaram.

      No orçamento para 2015, o mesmo que corta na saúde, na educação e que aumenta os impostos, está previsto um aumento de 180 milhões para as autarquias e mais 80 para a cultura. Isto há que satisfazer as clientelas... E depois ainda o Parvus Coelho dizia "que se lixem as eleições". Tá bem tá...

      Eliminar
  2. Afinal, não é só a nível local que temos "abéculas" no desgoverno central também as há e refinadas...
    Abraço
    Compadre Alentejano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora se há...É com cada uma!

      Abraço

      Eliminar