domingo, 28 de setembro de 2014

O incauto investidor


Pinto da Costa entendeu partilhar connosco a informação que terá investido uns cobres no BES. Em má-hora o fez. O investimento, claro. Embora isso da clareza, quando aplicado ao banco em apreço e em tudo o que se lhe relaciona, seja mera coincidência. Ou sorte do investidor. O que manifestamente não foi o caso. O homem, coitado, está descorçoado. Sente-se, ironia das ironias, vigarizado porque, garantiu, confiou nas afirmações do Presidente da República e do Primeiro-Ministro quando estes nos descansavam quanto à solidez do banco onde o incauto investidor arriscou as suas poupanças. Ninguém o mandou ser crédulo. Ou meter-se em assuntos que não domina. É que essa coisa de comprar acções é ligeiramente mais complicada do que comprar árbitros. Não estou, como é óbvio, a dizer que o senhor em causa adquira os favores dos homens do apito. Nada disso. Até porque, como sabemos, não há disso por cá. Mas, como igualmente também sabemos, acontece com muita frequência naqueles países da fruta tropical, do chocolate e onde as noites têm mais calor. Lá muito longe, portanto.

6 comentários:

  1. Esse homem dá-me nauseas.
    Kis :=)
    Voltei e já estás linkado, é qie com este interegno dava erro e tive de limpar tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ok. Bom regresso e que seja para ficar!

      Eliminar
  2. Quando li esta notícia deu-me para rir, só pode...coitadinho dele!!!!!

    ResponderEliminar
  3. Como sou portista, e acho que de falsos inocentes está o inferno cheio, gostava de saber se essa coisa da fruta e das compras só funciona para o Porto.
    E, já agora, se o Porto anda a comprar árbitros, porque raio se enganam eles nos jogos do Porto favorecendo terceiros?
    Estranho, não é?
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Porto a comprar árbitros?! Então o homem até foi declarado inocente num processo vagamente semelhante...

      Boa semana e que estas coisas da bola nos continuem a divertir!

      Eliminar